Como pode um quadro, um retábulo, uma música ou um espectáculo desenvolver o nosso conhecimento?



Admirar obras de arte é uma forma de compreender melhor o que os indivíduos produzem, e a realidade que narram. Segundo Goodman “Dom Quixote, tomado literalmente, não se aplica a ninguém, mas tomado figurativamente, aplica-se a muitos de nós”. Por isso, “ perguntar se uma pessoa é um Dom Quixote (quixotesca) ou um Dom Juan é uma questão tão genuína como perguntar se uma pessoa é paranóide ou esquizofrénica, é mais fácil de decidir”.
A arte opera de forma simbólica, não exacta e alegórica. Para melhor compreender as manifestações humanas, os historiadores e sociólogos preocupam-se pela arte de uma determinada época ou cultura.

Este blogue tem por objectivo dar a entender esta interacção entre a arte e o conhecimento, e de que forma as ostentações humanas repercutem-se ao longo dos anos e séculos.
O ponto de partida deste espaço, são os Séculos XVII e XVIII, nomeadamente pretende-se abordar a vida de uma corte, rodeada de riquezas, luxos, extravagâncias e exibições, e a repercussão estética-ideológica que esta deixou como herança nas gerações vindouras. Pretende-se assim analisar globalmente a antícope deixada por este movimento desde o seu apogeu até as réstias que se podem encontrar deste nos dias de hoje, tentando assim elaborar um paralelismo ideologicamente estético desde que surgiu o movimento social em si, até à nossa actualidade.

LOCAL - PORTUGAL - A Arquitectura do Real Edifício



Ler mais: http://estudogeral.sib.uc.pt:8080/dspace/bitstream/10316/9753/1/APimentel.pdf

LITERATURA - Rapariga com Brinco de Pérola - Tracy Chevalier

Rapariga com Brinco de Pérola de Tracy Chevalier


As pinturas de Vermeer, conhecido pintor da Época de Ouro Holandesa, são conhecidas pelas cores transparentes, pelo cuidado na composição e pelo uso da luz, supondo-se que usava um jogo lentes para observar os objectos. Pintava essencialmente retratos, sendo que um dos mais conhecidos é “Rapariga com Brinco de Pérola”. O que terá dado origem ao quadro e a proveniência da rapariga são questões que permanecem em aberto – pensa-se somente que não terá tido como objectivo ser um quadro vulgar e convencional.

Aproveitando a lacuna histórica em torno do quadro, Tracy Chevalier escreve um romance histórico, adoptando o mesmo nome do quadro. A jovem seria uma criada protestante, cuja família protestante cai na pobreza e na miséria. Griet ter-se-ia visto assim obrigada a servir em casa do pintor católico. Tímida e trabalhadora, mas fascinada pelo ambiente artístico, pelas cores e tintas, pela criatividade, a jovem oscila entre o encanto e sedução de Vermeer e a vida puritana ao lado do filho do homem do talho. Assediada pelo mecenas do patrão, e fugindo das más-disposições da esposa do pintor, Griet vai cumprindo obedientemente as suas tarefas.


Embora muito agradável de ler, penso que as diversas críticas positivas me criaram expectativas demasiado elevadas que acabaram por não ser satisfeitas pelo livro. A história está engraçada mas simples – não incluiria entre as grandes obras, nem entre os melhores romances históricos, como foi tantas vezes referido.
Texto de: Cristina Alves

LITERATURA - Memórial do Convento - José Saramago

Memorial do Convento de José Saramago

É um dos mais populares romances de josé Saramago. Publicado em 1982 a acção decorre no início do século XVIII, mais propriamente durante o reinado de D. João V. Este rei absolutista gozou da enorme quantidade de ouro e diamantes vindo do Brasil e mandou construir um célebre Convento na localidade de Mafra, em resultado de uma promessa que fez para garantir a existência de herdeiro.

http://www.aepoiares.edu.pt/Biblioteca/TrabalhosAlunos/MemorialdoConvento.pdf

ARTE- A Evolução da Paisagem até ao Barroco

ARTE- O Retrato Barroco

REMBRANDT VAN RIJN (1606-1669)




Rembrandt pintou retratos de grupos de pessoas, cujos personagens tinham maior ou menor importância, de acordo com a luz.
Na sua expressão realista, retratava a essência da pessoa, o calor humano, o sofrimento, a dor. Não idealizava.
Pintava os olhos penetrantes e fundos, utilizando os tons de sépia. Colocava primeiro todos os ocres, depois os marrons e os amarelos. Cada aluno só pintava com uma cor, por exemplo, o ocre ou o marrom. Isso determinava aquela luminosidade. No final do trabalho ele integrava as cores e as pinceladas.








Video:
Simon Schama's Power of Art: Rembrandt 1/8
Simon Schama's Power of Art: Rembrandt 2/8
Simon Schama's Power of Art: Rembrandt 3/8
Simon Schama's Power of Art: Rembrandt 4/8
Simon Schama's Power of Art: Rembrandt 5/8
Simon Schama's Power of Art: Rembrandt 6/8
Simon Schama's Power of Art: Rembrandt 7/8
Simon Schama's Power of Art: Rembrandt 8/8

PETER PAUL RUBENS (1577-1640)


Pintava o que era faustoso. Sua pintura era vigorosa, sensual e teatral. Abriu uma oficina de arte com 200 auxiliares. Cada um era encarregado de uma especialidade na pintura, como roupas, jóias, cabelos. Ele fazia o desenho e depois terminava o quadro pintando o rosto e as mãos, dando uma unidade geral à obra. Com isso, ele produziu milhões de obras. Rubens pintava os palácios e as igrejas. Era uma arte que estimulava a pompa e o esplendor dos ambientes barrocos.
Nasceu na Antuérpia, Bélgica, filho da classe média bem situada.
Tinha muita facilidade com os nus. Era especialista em fazer o tom de pele (carnação).







JOHANNES VERMEER van DELT (1632-1675)


Em Delft, na Holanda, nasceu Vermeer.
Atribui-se a sua autoria menos de 35 pinturas, que não puderam ser datadas com segurança até hoje. Essa escassa produção deve-se à meticulosidade e lentidão com que pintava seus quadros que, apesar de bem valorizados, foram insuficientes para quitar suas dívidas e garantir o sustento de seus muitos filhos – mesmo sendo ele que desenvolvia as atividades de comerciante e avaliador de obras de arte, paralelamente ao trabalho de atelier.
A representação da vida doméstica era seu tema básico. As imagens criadas por Vermeer costumam apresentar um momento íntimo de uma ou duas figuras no interior de suas habitações em um momento iluminado do dia.

Sua técnica era de extremo naturalismo nas representações das texturas e do brilho de materiais preciosos, e seus quadros são concebidos numa tonalidade clara e num cromatismo intenso e harmônico.

O resultado desse domínio artístico e intelectual na elaboração de seus quadros é a simplicidade surpreendente na percepção do conjunto. O que há de mais singelo em nosso cotidiano, aos olhos de Vermeer, transforma-se em algo de forte carga espiritual, tanto em suas pinturas de gênero, como em suas poucas obras de paisagem.

Nos dias de Vermeer, os pintores trabalhavam nas guildas (corporações de ofícios). A pintura não era considerada realmente uma arte, mas um artesanto, como a tecelagem. Os pintores vendiam seu trabalho ao aristocrata rico.Vermeer pintou uma série de retratos, freqüentemente caracterizados com efeitos artísticos, tais como a queda da luz em telas finas, na pele macia, ou em um brinco de pérola. A inexistência da devoção a imagens nos cultos protestantes desvinculou a Arte da Igreja. Além disso, a ausência, nas Províncias Unidas, de uma cultura palaciana, propiciou o desenvolvimento de uma arte mais singela e de temáticas do cotidiano da classe média, diferente da monumentalidade e dos temas eruditos (históricos e mitológicos), praticados em países mais ao sul da Europa. O desenvolvimento de um forte comércio interno e internacional e da indústria artesanal enriqueceu a classe média, em especial os comerciantes e industriais. Essa burguesia rica concentrava o poder político e econômico, e determinava o gosto por temáticas artísticas do cotidiano. A opulenta classe média holandesa encomendava quadros para decorar suas casas e o tamanho das pinturas teve que ser adequado à escala dessas habitações – as grandes dimensões, comuns em quadros da corte, ficaram destinadas apenas aos prédios públicos.

textos: lilimachado
video: o retrato no barroco


ARTE - Moda no Barroco

O Século XVII

No Século XVII a França, influenciará a moda nos demais países da Europa.A figura máxima é a do rei, segundo os princípios absolutistas.

Luí XIV, rei de França, é considerado por muitos autores o inventor do luxo, pois deixou-nos um legado de símbolos de status e sofisticação, durante o seu reinado, nomeadamente:


  • Os perfumes
  • Os diamantes

  • O champagne

  • A gastronomia

  • Os sapatos de salto-alto

  • Os salões de cabeleireiros, assim como dos primeiros criadores da alta-custura



Para Luís XIV ostentar o luxo era uma forma de poder. A França soube utilizar muito bem esse poder de sedução para influenciar outros países. As criações da corte francesa eram desejadas e disseminadas por toda corte Europeia.



A figura do seu primeiro-ministro Jean-Baptiste Colbert foi responsável pela criação de um dos primeiros jornais de moda, o Mercure Galant, que trazia informações das roupas francesas e ainda instituiu o conceito de rotatividade de colecções por estação, que é mantido até hoje.




O vestuário masculino estava assim definido:

  • O Rhinegrave, uma espécie de calção-saia

  • Colete justo

  • Perucas compridas

  • Sapatos com salto pequeno

  • Os justaucorps

O vestuário feminino era composta basicamente por:

  • Vestido com corpete em "V" e saia ampla

  • O manteau

  • Penteado fontange
  • Sapatos altos



Tanto no vestuário feminino como masculino deste período veremos uma utilização excessiva de laços, fitas, amarrações, rendas e babados.


Século XVIII

As novas concepções de pensamento, advindas do Iluminismo, e as correntes artísticas do Barroco e Rococó, marcam fundamentalmente o Século XVIII. O retrato do momento é o de uma aristocracia ociosa, que levava uma vida extremamente luxuosa.
A imagem da rainha Maria Antonieta, da França, é extremamente associada a esse período, devido à sua contribuição para mudanças no comportamento e no estilo da época, com suas extravagâncias. Pode ser considerada a maior mecenas cultural da época.
E é em função dela que surge a primeira figura de um costureiro ou criador.
Rose Bertin era responsável pela criação de seus vestidos e adereços. Há também aqui a imagem muito forte do que viria a ser o cabeleireiro.
De um modo geral copiava-se o que era lançado na Corte de Versalhes:
  • Vestidos amplos, volumosos e pregueados, alguns em forma de saco
  • Corpetes mais folgados
  • As panniers e as farthingales na armação das saias
  • Penteados exuberantes e altíssimos, com enchimentos e elementos decorativos
  • Maquiagem empoada e mosquettes
  • Chápeus enormes e com muitas plumas de animais nobres

O vestuário masculino tinha a seguinte estrutura:

  • Casaco (justaucorps) ajustado na cintura
  • Coletes bordados
  • Calções extremamente justos
  • Lenços originados das golas da chemise, muito volumosos, no pescoço
  • Maquiagem empoada com mosquettes

A história do Traje da idade Média ao Barroco

video

ARTE - A Pintura de Caravaggio

Michelangelo Merisi da Caravaggio (1571- 1610)


Pesquisas recentes concluem que Michelangelo Merisi é de origem milaneza, mas para fugir da peste que assolava a cidade, na época, a família transferiu-se para Paço Bianco di Caravaggio, uma pequena aldeia da região, cujo nome acabou adotando e que ainda hoje gera confusões quanto ao local do seu nascimento.

Com Caravaggio inicia-se o barroco italiano e o melhor epíteto para esse artista é: "mestre das luzes e das sombras", definição que também incorporou em sua existência pela forma turbulenta e tempestusosa que a viveu.O menino Michelangelo, filho do artesão e mestre de obras Fermo Merisi, órfão aos 11 anos, emprega-se como aprendiz, nessa época, no ateliê de Simone Peterzano, que se dizia discípulo de Ticiano, em Milão, como uma forma de ocupar o seu tempo e livrar-se da vadiagem, já que não queria frequentar a escola e vivia metido em brigas de rua.


Era o chamado período da contra-reforma e o clero católico investia na construção de templos, para barrar as ideias da reforma de Martinho Lutero, gerando trabalho para pintores e construtores. E aí se encontra Michelangelo Merisi da Caravaggio, ou simplesmente, Caravaggio, nome que adotou nessa época.Os primeiros trabalhos com a sua marca, usando contrastes de luz e sombras que provocam efeitos dramáticos, definido com o nome de tenebrismo, aparecem na igreja de San Luigi dei Franchesi e na Capela de Contarelli, esta com cenas da vida de São Mateus. O artista não gozava de unamimidade, pois suas pinturas eram consideradas realistas demais para os padrões da Igreja. Caravaggio usava como modelos pessoas comuns encontradas nas ruas, nas feiras e nas tavernas e defendia a idéia de que os personagens bíblicos eram pessoas iguais a quaisquer outras.As suas obras de temática religiosa incluem pinturas como "Invocação de São Mateus", "A Ceia em Emmaus", "A Conversão de São Paulo", "A Degolação de São João Batista", "O Repouso no Egito", "A Crucificação de São Pedro", dentre várias. Além destas, tem também a obra mundana, resultado de encomendas, onde tratou os temas de forma a chocar o chamado "bom gosto" da época, o que o classifica como primeiro "pintor maldito" da história da arte.


Exemplo disso é o escândalo provocado pela tela "Baco" (1597), onde o deus do vinho e das orgias para os romanos, e Dioniso para os gregos, é retratado como se fosse um travesti, com traços de gueixa japonesa, o corpo levemente inclinado e insinuante a oferecer uma taça. No "Baco doente" (1593), que seria um auto-retrato, se tem uma figura de traços debilitados, com um cacho de uvas nas mãos, mas ainda assim, insinuante. Também é de sua autoria a mais divulgada representação da lenda de Narciso, em tela de 1598.Caravaggio tinha temperamento violento e génio tempestuoso. "Perito no pincel como na espada, foi um homem turbulento, socialmente rebelde e artisticamente livre. Um precursor". Não dispensava uma briga e foi preso diversas vezes. Certa feita recusou-se a pagar um jogo perdido, e na discussão com o opositor, um certo Ranuccio Tommasoni, feriu-o e este acabou morrendo. Para evitar a prisão começa o período errante de sua vida, passando por Nápoles, Malta, Siracusa, Messina e Palermo, sempre em fuga devido a desavenças e perseguições.


Por diversas vezes conseguiu, com a ajuda de protectores, fugir das prisões, a última delas em Malta, quando cumpria pena por desavenças com um poderoso do lugar. Consegue chegar a Nápoles, mas, perseguido por mandantes do poderoso maltês, é localizado e ferido a espada. Debilitado pela malária contraída na prisão e ainda não recuperado dos ferimentos recebe a notícia de que teria o perdão papal e poderia retornar à Roma. Tenta deixar Nápoles por via marítima, mas acaba falecendo na praia, antes de completar 40 anos de idade.A história de sua vida foi contada em filme por Derek Jarman, com o título "Caravaggio", de 1986.

Fonte: Génios da pintura, vol. 28, Abril Cultural, 1980
Michelangelo Merisi da Caravaggio - O poder da Arte

Livros e Filmes


Filme: Maria Antonietta

Filme:Le Roi Dance

Filme: O poder da arte

Filme: A Rapariga com Brinco de Pérola

Livro: Burguês Fidalgo/Sganarelo Autor: Molière